Santos Comic Expo- O maior evento do litoral PAULISTA na OITAVA CIDADE NERD do Brasil reune juventude e veteranos!

O maior evento do litoral PAULISTA na OITAVA CIDADE NERD do Brasil reune juventude e veteranos!
Flávio CALAZANS começou sua carreira de chargista e autor de Historias em Quadrinhos publicado tiras e caricaturas em 1980 no JORNAL DE MESA, em Santos, um jornal impresso nas toalhas de mesa de papel dos bares e lanchonetes santistas. Calazans fundou e participou por VINTE ANOS, de 1979 a 2000 , a revista BARATA publicada em cooperativa em Santos, foi jurado da BIENAL DE QUADRINHOS do Rio De Janeiro e criou o primeiro grupo de pesquisa de quadrinhos no INTERCOM – Congresso Brasileiro de Ciencias da Comunicação da ECA USP. Deste GTQH (Grupo de pesquisadores em Historias em Quadrinhos) organizou e publicou o livro VOLUME SETE DA COLEÇÂO INTERCOM “Historia em Quadrinhos no Brasil : Teoria e Prática” Intercom Unesp-Proex-SBPC, -- que estará AUTOGRAFANDO NO SANTOS COMIC EXPO. Calazans também estará autografando seus álbuns ou GRAPHIC NOVELS da coleção “AS GUERRAS CALAZANISTAS” : A guerra dos golfinhos- SEGUNDA EDIÇÂO Flávio Calazans Série Repertório, 15, 2a. ed. João Pessoa: Marca de Fantasia: 2013. 64p. 14x20cm. R$15,00. ISBN 978-85-7999-078-6 http://www.marcadefantasia.com/albuns/repertorio/guerradosgolfinhos/guerradosgolfinhos.htm “A guerra dos golfinhos, editada pela Marca de Fantasia em 2002 e agora em segunda edição, nos leva a mais uma viagem pelo universo mítico de Flávio Calazans. Como tão bem sabe fazer, o autor consegue transportar seus personagens e elementos ficcionais à mais plausível realidade. Ao mesmo tempo, projeta a criação para uma dimensão universal, ao retratar os conflitos humanos e as lutas pelo poder. Em outra guerra, a Guerra das ideias, Calazans já nos apresentava as lutas que moveram o mundo através do tempo e do espaço. Nesse álbum, pequenas histórias isoladas mostram o modo de ser e agir do homem em sua evolução por meio de confrontos históricos. A guerra dos golfinhostraz outra estrutura narrativa, ao ser construída como uma história dramática perpassada pelos choques ideológicos, diferentemente deGuerra das ideias, onde o tema é o elemento unificador. Este detalhe faz a diferença na obra de Calazans. A concepção de uma história em quadrinhos, assim como a de um filme, exige um trabalho complexo de elaboração, onde pesam a construção das personagens, a ambientação, o desenvolvimento dramático, as elipses, o jogo de sedução por intermédio do manejo consciente do que se deve ocultar ou expor, da ordem de aparição das cenas, de uma conclusão coerente, ainda que por vezes aberta ou não explícita. Enfim, o domínio da narrativa e dos elementos estruturais é o que faz a graça ou infelicidade de um autor” Henrique Magalhães, DOUTOR PELA SORBONNE- PARIS FRANÇA Guerra das ideias - QUINTA EDIÇÃO Flávio Calazans Série Repertório, n. 8. 5a. ed. João Pessoa: Marca de Fantasia 2011. 68p. 14x20cm. R$12,00. ISBN 978-85-7999-026-7 http://www.marcadefantasia.com/albuns/repertorio/guerradasideias/guerradasideias.htm “Em fevereiro de 1987 saía a primeira edição de Guerra das ideias como edição extra do fanzine Quadrix, editado por Worney Almeida de Souza em São Paulo. Essa edição quase artesanal logo se transformou num acontecimento no meio dos quadrinhos independentes brasileiros. Esse magnífico álbum de Flávio Calazans é formado por uma série de pequenas histórias em quadrinhos de duas páginas que se encadeiam formando uma grande história muito bem estruturada, a história do processo civilizatório desde os primeiros agrupamentos humanos até a revolução telemática. Calazans firmava-se, com Guerra das ideias, como um dos mais criativos quadrinistas de sua geração, com uma obra baseada em pesquisas acadêmicas, com o experimentalismo no campo visual e a proposta inovadora do que viria a ser conhecido como “quadrinhos poéticos”, ou “poético-filosóficos”, como também são chamados. Guerra das ideias parte desse princípio, da quebra da formatação dos quadrinhos comerciais, da exploração dos limites da criatividade e da crítica política por intermédio da reflexão pessoal. Malgrado o álbum abordar um universo amplo e complexo, Calazans apresenta com maestria um verdadeiro tratado sobre a história da humanidade, suas lutas, contradições, mesquinhez e tiranias. Seu olhar é extremamente personalizado, mas ricamente fundamentado nos pequenos detalhes, minúcias de arquitetura, ambientação, vestuário, fauna e flora. O rigor na elaboração dos quadrinhos os aproxima da realidade histórica, ainda que subvertida pela interpretação crítica do autor. O espírito contestador de Calazans flui perfeitamente em Guerra das ideias, que se baseia na dualidade do cérebro: lado esquerdo x lado direito, conformismo x fantasia, lógica x liberdade criativa. As ideias revolucionárias contra os sistemas estabelecidos vêm à tona no discurso de negros, judeus, anarquistas, filósofos, que se confronta com preconceitos raciais, religiosos e políticos. Esta quinta edição de Guerra das ideias – um fenômeno de persistência no volátil meio das produções independentes – corrobora a importância desse trabalho e brinda os leitores com uma obra que oferece um grande deleite em refinamento gráfico e um rico repertório para reflexão” Henrique Magalhães, DOUTOR PELA SORBONNE- PARIS FRANÇA PREÇO = VINTE REAIS CADA ALBUN< quem comprar ambos recebe um brinde ONDE E QUANDO – No saguão do Teatro Municipal de SANTOS sábado 31 de outubro de 2017, das 10 as 20 horas, av Pinheiro Machado, 48 MAIORES DETALHES Desenhista Free-Lancer atuando profissionalmente no mercado editorial desde 1981 , seu primeiro quadrinho profissional foi vendido por dois dólares e publicado no "JORNAL DE MESA" em SANTOS, tiras (strip comics) DE QUADRINHOS . Criou e coordenou a COOPERATIVA BARATA , editando em cooperativa a REVISTA BARATA, em Santos, número ZERO colocado a venda em 31 de outubro de 1979, em mimeógrafo a álcool e depois off set, publicada por mais de 20 (VINTE) anos e sendo considerada "CULT" por Fernando Vieira , crítico de quadrinhos de Portugal (Europa), a revista representou o Brasil em exposições de Histórias em Quadrinhos, de Revistas Independentes e Alternativas, Fanzines e Arte Postal em Espanha, Cuba, Portugal etc. Requisitada para acervo pela BIBLIOTECA DO CONGRESSO USA, DIETA JAPONESA, BEDETECA de LISBOA, Casa da XUVENTUDE de Ourense-Espanha, Fanzinothéque de Poitiers-França, Museu de Bande dessinée de ANGOULÉME-França, e diversas Gibitecas no Brasil como GIBITECA HENFIL de João Pessoa-Paraíba, GIBITECA HENFIL de São Paulo, Gibiteca Marcel Rodrigues PAES de Santos, etc. Esta revista sempre foi vendida em Universidades, sendo o contato direto dos produtores com os leitores em feedback imediato a causa do rápido amadurecimento e aperfeiçoamento de técnicas e propostas dos autores (como fazem as revistas laboratoriais) em uma contínua investigação de linguagem por mais de 20 anos, de cuja pesquisa experimental resultou um tipo de Quadrinho-poster, desconstrução narrativa, anti-linearidade, parataxe - uma nova poética de imagens na velocidade subliminar de um video-clip; mixando a BD européia com os Comix dos USA e o Mangá do Japão. Autores de quadrinhos que fizeram sua estréia na BARATA depois publicaram profissionalmente em grandes editoras como ABRIL e revistas como HEAVY METAL. BARATA é citada no livro "O que é fanzine", de Henrique Magalhães (p. 27 e 59), Editora BRASILIENSE coleção PRIMEIROS PASSOS. "FALTA DE FORÇA" publicada na Editora ABRIL, revista Aventura e Ficção número 19, "UASCA" Publicada no àlbum comemorativo "BRAZILIAN HEAVY METAL" GUERRA DAS IDEIAS em QUINTA EDIÇAO GUERRA DOS GOLFINHOS em SEGUNDA EDIÇÂO Criador, Fundador e Coordenador do Grupo de Trabalho “Humor e Quadrinhos” no Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, organizando e selecionando artigos científicos de doutores desta linha de pesquisa de 1995 a 2000, o PRIMEIRO grupo de pesquisa de quadrinhos oficial no Congresso de Comunicação INTERCOM. Organizador do livro com pesquisas do GTHQ - Histórias em Quadrinhos no Brasil: Teoria e Prática. São Paulo, INTERCOM/Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, GT Humor eQuadrinhos, 1997. (Coleção GTs INTERCOM, v. 7) (Organizador) ISBN 85-900400-1-1 Troféu Risco de melhor Argumentista-Roteirista de quadrinhos do Brasil, 1988 entregue por JOACY JAMYS em São luiz do Maranhão. Jurado na I BIENAL DE HQ DO RIO , Rio de Janeiro, 1991. Eleito Diretor Executivo da AQC, 1987 onde escreveu e publicou a "CARTILHA DE DIREITO AUTORAL DA AQC" , PRIMEIRO livro sobre Direito autoral específico dos Quadrinhos do BRASIL publicado e distribuído pela Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas de São Paulo (AQC-SP), 1986 onde prestou CONSULTORIA de DIREITO AUTORAL . Escreveu "Histórias em Quadrinhos na Escola" - TERCEIRA edição, editora PAULUS São Paulo, ISBN 85-349-2140-7 . PRIMEIRO livro do Brasil sobre o uso de quadrinhos para ensino em escolas . No Instituto de Artes da Unesp projetou e implantou o “Núcleo de Pesquisa e Produção de Histórias em Quadrinhos de Autor”, noticiado no Jornal da Unesp de julho de 1997, número 115, página central, mobilizando alunos do primeiro ano à pós, cujo resultado foi o lançamento nacional da revista de quadrinhos de arte a quatro cores, circulação nacional ( em todas bancas de jornal e livrarias), tiragem de 12 mil exemplares com impacto midiático estimado em 60 mil leitores indiretos, aprovada pelas leis municipal e federal de incentivo a cultura, obtendo patrocínio e anunciantes por interessar comercialmente à comunidade, revista “Fêmea Feroz” ( ISSN 1415-0255).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cores BERRANTES e saturadas da editora Bloch - comenta Flávio Calazans

DOUTOR ESTRANHO na coleção de historias em quadrinhos de Flávio Calazans