quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Schopenhauer explicou-me como fiz inimigos.

"Se alguém nota e sente uma grande superioridade intelectual naquele com quem fala, então conclui tacitamente e sem consciência clara que este, em igual medida, notará e sentirá a sua inferioridade e a sua limitação. Essa conclusão desperta o ódio, o rancor e a raiva mais amarga. Arthur Schopenhauer 1788 — 1860 filósofo alemão extraído de "Aforismos sobre a Sabedoria da Vida"

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Flavio Calazans e Guido Buzzelli -parte tres: "ZIL ZELUB"

Chegou o álbum de quadrinho fumetto "ZIL ZELUB" obra prima autoral de Guido Buzzelli cujo título é anagrama de seu próprio nome,
consegui uma cópia autografada da primeira edição.

Que sorte !
Buzzelli é mais conhecido no Brasil pelo desenho do faroeste Tex.

Seria como conhecer Moebius apenas como Gir ou Jean Giraud do faroeste Blueberry.

Este É um de meus álbuns preferido, surrealismo político: - um violoncelista de orquestra cujos braços e pernas revoltam -se e saem do corpo tendo expressado cada vez mais vontade própria;

e tudo culmina em um pesadelo político e com o pesadelo invadindo o mundo real.

UM clássico!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Wolverine volta ao Nordeste brasileiro para MATAR A SAUDADE - pelos franceses Jean David Morgan e Philippe Buchet.

Wolverine no Nordeste brasileiro pelos franceses Jean David Morgan e Philippe Buchet. "SAUDADE", sim, ele retorna ao Brasil para MATAR A SAUDADE.

Considero um exercício interessante comparar as traduções, como desta edição portuguesa capa dura em papel couchet com a edição brasileira mais modesta vendida em banca de jornal.

Sempre é bom destacar cada vez que os USA chamam autores europeus para suas franquias como "PARÁBOLA" com o Surfista Prateado de Stan Lee no traço de Moebius ou as meninas X Men por Milo Manara.

Neste caso além de nos brindar com o nordeste brasileiro os autores europeus acertadamente intitularam o álbum como "SAUDADE",

Saudade é uma palavra típica do idioma português tão melancólica quanto o lamento choroso nas letras da arrastada melodia do FADO, saudade poderia ser traduzida como um sentimento nos matizes emocionais da tristeza, um misto de nostalgia com sentimento de perda ou falta, de remorso, de vazio emotivo, um sofrimento bem típico da alma portuguesa.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

-- "Na guerra, a verdade é a primeira vítima." Ésquilo

-- "Na guerra, a verdade é a primeira vítima." Ésquilo
Os esquerdistas vivem numa LUTA DE CLASSES em guerra eterna contra nós, os não-marxistas!

Salmo para os inimigos - Palavra do Senhor, graças a Deus

"Que a morte apanhe os meus inimigos de surpresa! Desçam eles vivos para a sepultura, pois entre eles o mal acha guarida" (Salmos 55:15)

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Rubens Francisco Lucchetti

Rubens Francisco Lucchetti preliminarmente vc e Claudio Vicente Rosso e Luiz Rosso precisam checar se o Mojica tem algum contrato que ceda os direitos autorais seus e dos herdeiros a ele.


Caso não exista o documento, vcs podem ir a uma Faculdade de Direito, juntos ou separados, usar o escritório de quintoanistas e ir com eles a delegacia de Polícia fazer queixa crime pois CONTRAFAÇÃO é crime previsto em nosso Código Penal - publicar sem pagar direito autoral.

Depois, o Ministério Publico pode acionar a Interpol e RECOLHER toda edição imediatamente pois a Contrafação está prevista como crime internacional na Convenção de Berna e da Unesco.

Então, depois ou concomitante, cabe ação de Dano Moral e outras.

Mas a esta altura o editor responsável poderá já estar PRESO nos USA.

Conte comigo, Flavio Calazans, te passo meu telefone inbox - não cobro nada a consultoria pois meu livro "CARTILHA DE DIREITO AUTORAL DA AQC" tem estas orientações de defesa para os autores de quadrinhos brasileiros.

Por defender os autores é que alguns editores dizem que sou POLÊMICO!

Texto de Rubens Francisco Lucchetti no Facebook "!Sábado tomei conhecimento de algo que me deixou com a pulga atrás da orelha. Uma empresa norte-americana comercializando uns DVDs do Zé do Caixão e dando de bônus hqs brasileiras do personagem. Ontem, por intermédio de uma grande amiga, descobri que essas hqs são algumas das criadas por mim e pelo meu saudoso parceiro Nico Rosso nos anos 1960. Mas dessa empresa não entrou em contato comigo nem com os herdeiros do Nico (Luiz Rosso e Claudio Rosso), pedindo autorização para republicá-las, já que nós som os os proprietários dessas hqs. Ou será que que essa empresa norte-americana, uma tal de Synapse Films pensa que o Brasil ér a casa da Mãe Joana, em que pode entrar e ir pegando o que quiser? Não é bem assim; Existem as leis dos direitos autorais. Para piorar ainda mais as coisas, descubro agora que outra empresa das terras do Tio Sam, uma tal de Fantoma, também fez a mesma coisa, há alguns anos. Agora, só nos resta tomar as medidas judiciais cabíveis em casos assim: processo! Em anexo, coloco o link dessas duas empresa