PORRADA


Depois de Publicar na Editora ABRIL e antes de publicar na BRAZILIAN HEAVY METAL também publiquei na revista PORRADA do elemento Jose Gilberto Lourenço Firmino, Aliás Gilberto Firmino, Alias Gilfir, Aliás diversas outras assinaturas em editoras com sede em mogi das cruzes, suzano, osasco, mauá, diadema, santo andré e centenas de cidades da grande são paulo, Ofeliano do Leão Negro pode falar muito sobre este "editor" , idem Dario Chaves e Hugo Leta tem muito, MUITO mais a dizer pois desenhou pra ele e trabalhava em CARTÓRIO onde rastreava CPFS....

Comentários

  1. Eu acho que Bilal, Caza , Moebius , Jim Stalin, Robert Crumb, Crepax, Bourgeon, Richar Corben e muitos outros fazem mais do que um mero prodito de mercado, acho que fazem uma obra cultural autoral, o mesmo pode acontecer no cinema (aliás no Cahiers de Cinemá surgiu o termo cinema de autor ou cinema de arte que depois foi para os Quadrinhos) ...inclusive um álbum do BILAL foi considerado LIVRO do ano na França, um da Trilogia Nikopol que este ano sai no Brasil mas faz tempo tenho a edição portuguesa...inclusive tenho tese academica de Livre Doicente falando disto de quadrinho de autor..aliás, o elemento tem os contratos de publicação de Richard Corben, Crumb e outros que publicou para provar a lisura e profissionalismo como editor?

    ResponderExcluir
  2. Poema em linha reta

    Fernando Pessoa
    (Álvaro de Campos)

    [538]

    Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
    Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.


    E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
    Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
    Indesculpavelmente sujo,
    Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
    Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
    Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
    Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
    Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
    Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
    Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
    Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
    Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
    Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
    Para fora da possibilidade do soco;
    Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
    Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.


    Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
    Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
    Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...


    Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
    Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
    Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
    Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
    Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
    Ó príncipes, meus irmãos,


    Arre, estou farto de semideuses!
    Onde é que há gente no mundo?


    Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?


    Poderão as mulheres não os terem amado,
    Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
    E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
    Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
    Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
    Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

    ResponderExcluir
  3. Volta e meia ressurge das tumbas do meu passado esquecido e enterrado um ZUMBI pra me trollar - Que ASCO - NOJENTO- Recebi este texto-
    "Eu perdi muito do meu tempo me esquentando com o tal famigerado troll...Depois analisando algo que o próprio autor desse blogue aqui falou pessoalmente em visita a minha cidade me vez analisar melhor as pessoas : status quo e modus operandi.... Fui percebendo que trolls em particular agem tudo na mesma linha de raciocínio (conversa manso, sutilmente vai levando pra tom arrogante, começa a desdenhar da pessoa e de seu trabalho , amigos etc ate você revidar, pronto! Você caiu na armadilha dele, ao revidar ele já tem preparado previamente asneiras pra conseguir sua atenção e fazer você dar o que lhe mais precioso pra criar seu trabalho : seu tempo.
    Você se irrita, revida, chinga , sente desistimulado -como foi o caso do Emir Ribeiro que ia desistir do encontro entre Velta e Raio Negro por trollice de quem não tem personagem nenhum, não sabe escrever, nem desenhar e é apenas um parasita do sucesso dos outros.- e ai ele em seu modus operandi consegue o supra sumo dessa maxima : " Nunca discuta com um idiota...ele te rebaixa ao nivel dele e te vence pela experiência" . Aprendi que todos os trolls seguiam essa sequencia sem tirar nem por, é esquisito, está nos genes"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cores BERRANTES e saturadas da editora Bloch - comenta Flávio Calazans

DOUTOR ESTRANHO na coleção de historias em quadrinhos de Flávio Calazans