A mentira e Santo Agostinho

Sobre a Mentira

No que consiste a mentira? É lícito mentir? Existe alguma circunstância em que a mentira pode evitar um mal maior? Santo Agostinho examina essas questões à luz da filosofia e, como é comum ao seu pensamento, também no contexto teológico.

Inicia este opúsculo com um vigoroso trabalho de definição, depois expõe uma classe tipológica de oito tipos de mentiras existentes, demonstrando a gravidade de cada uma delas, além de propor uma breve reflexão ética sobre a gravidade do ato de mentir.

Escrito em 395, ano em que foi consagrado bispo de Hipona, este opúsculo é considerado obra da juventude de Agostinho, mas que ele mesmo acabou por incluir entre os seus mais importantes escritos, pois "contém muito do que é útil para o exercício da mente e ainda mais proveitoso para a moral, suscitando o amor pela verdade".

Nessa tradução idédita, do latim para o português, Santo Agostinho ensina, portanto, que "não podemos seguir outra regra, a não ser a de que nunca devemos mentir". Porque "em qualquer um dos exemplos dos santos e de seus costumes, não podemos observar um exemplo sequer de mentira, forte o suficiente para o tomarmos como justa imitação, repetindo-o em nossas vidas. E isto se confirma com mais clareza nos textos sacros. Portanto, jamais devemos aceitar a mentira".

Tradução: Tiago Tondinelli

Ficha Técnica:

Número de Páginas: 148

Editora: Ecclesiae de Bolso

Idioma: Português

ISBN: 9788584910267

Dimensões do Livro: 11,5 x 17,5 cm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sete Pecados, Sete demonios, Sete virtudes, Sete anjos

HQ de Mauricio de Souza, sete pecados e HORÁCIO