A tartaruga verde e o escorpião vermelho

há bons terroristas, que acreditam tanto na causa que dão a própria vida, são martires homens-bomba suicidas, ha bons verdugos que torturam com dedicação sem sentir o peso das horas nem o cansaço, e evidentemente há bons petistas que fazem petismos, seguindo esta lógica, inclusive, conheci apenas bons petistas, pois todos esmeram-se em petizar ! Daí terem como aliados bons políticos exemplares como Maluf, Sarney da Arena e Collor entre outros. Assim, sobre a natureza do Petista, aqui quero lembrar o que me ensinou Pedro Malasartes quando era um Sufi chamado Mulá Nasrudin -
" Querendo atravessar um rio, o escorpião, que não consegue nadar, perguntou à tartaruga: – Posso atravessar esse rio agitado em suas costas? – Você está louco? – respondeu a tartaruga – você me picará enquanto eu estiver nadando e me afogarei. – Querida tartaruga, – respondeu o escorpião – se eu fosse picar você então o que disse seria uma verdade. Entretanto, eu iria com você para o fundo do rio. Ora, que lógica tem isso? Depois de um momento de reflexão, a tartaruga convencida pelo escorpião, concordou em transportá-lo. – Sobe, disse ela. O escorpião subiu no casco da tartaruga e ela se jogou na água. Quando estava atingindo o meio do rio, o escorpião deu-lhe uma impiedosa ferroada. O veneno agiu quase que de imediato paralisando a tartaruga que não conseguiu mais nadar e começou a ir para o fundo, levando junto seu passageiro. Com ar de indignação, voltando-se para o escorpião, a tartaruga disse: – Quero lhe perguntar uma coisa: você disse que não havia lógica em você me picar. Por que o fez? – Não tem nada que ver com a lógica, – respondeu ele – é simplesmente a minha natureza. "

Comentários

  1. uma versão é do sapo barbudo mas achei que seria ofensiva ao LULA porisso oPTei pela versão da tartaruga que é mais verde amarela e dá menos asco nojo e repulsa que o sapo barbudo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

DOUTOR ESTRANHO na coleção de historias em quadrinhos de Flávio Calazans